SBACV-RJ

Infecção por COVID-19 e coagulação

Francisco João Sahagoff de Deus Vieira Gomes
Marcos Arêas Marques 

Dois estudos retrospectivos de séries de casos publicados recentemente avaliam a elevação do dímero-D (DD) como um marcador de gravidade em pacientes hospitalizados pela infecção pelo COVID-19.1,2

O DD é um dos produtos de degradação da fibrina (PDF), uma proteína da coagulação que é formada pela ação da trombina no fibrinogênio.

Portanto, o DD representa um marcador indireto da geração de trombina e da atividade fibrinolítica que ocorre quando há, por exemplo, a formação de um coágulo.

Ocorre que a elevação dos níveis séricos do DD não é específica de tromboembolismo venoso (TEV), e está presente em qualquer situação que envolva a formação e a degradação de um trombo, traumas, infecção recente, gestação, insuficiência renal e neoplasias. O que faz do DD um exame de alta sensibilidade e muito baixa especificidade.

Além da elevação do DD, um dos estudos 2, descreve que ocorrência de coagulação intravascular disseminada em 71,4% dos pacientes que evoluíram para óbito.

Cabe lembrar que toda infecção é um fator de risco para o desenvolvimento do TEV, por provocar um quadro sistêmico inflamatório, especialmente se o paciente estiver internado e restrito ao leito. Todavia, até o momento não existe estudo robusto associando o TEV à infecção pelo COVID-19.

Bibliografia

  1. Zhou F, et al. Clinical course and risk factors for mortality of adult inpatients with COVID-19 in Wuhan, China: a retrospective cohort study. 2020 Mar 11. pii: S0140-6736(20)30566-3.
  2. Tang NLi DWang XSun Z. Abnormal coagulation parameters are associated with poor prognosis in patients with novel coronavirus pneumonia. J Thromb Haemost.2020 Feb 19. doi: 10.1111/jth.14768. [Epub ahead of print]